Subscribe:

segunda-feira, fevereiro 28, 2011

FELIZMENTE INFELIZ

Mas nos meus sonhos
Sempre acontecem as mesmas coisas
E elas nunca são
O que parecem ser.


Ninguém sabe o quão
São difíceis pra mim
As coisas que eu faço
E eu culpo você.


A sua pequena miss sunshine
Agora não está feliz
Agora não foi feliz
Agora está feliz
Talvez, seja ela felizmente infeliz?


Você está vendo?
Você pode ver o que vai acontecer?
Ela apenas me disse que está o deixando 
Outra vez...


E dessa vez nada vai impedí-la de partir
Nem o grito
Nem o choro
Nem o silêncio que ecoou pelo quarto
Na última vez que ele disse 'eu te amo'
E ela não soube o que responder...


(Tamires Alci)


•Ouvindo agora:Black - Pearl Jam

quinta-feira, fevereiro 24, 2011

A CAMINHO DE LUGAR NENHUM

E em vão discorro mais uma vez sobre os meus pedaços
Um copo sem fundo
Uma garrafa de vinho meio cheia
Uma estrada para lugar nenhum.


É para onde estou indo agora
Para lugar nenhum
Estou nessa vida procurando por respostas de eternas perguntas que nunca aparecem
Um dia talvez eu as encontre
Um dia talvez eu me encontre
E quando me encontrar
Direi: Olá
E me perderei mais uma vez.


Me perderei nos delírios mais loucos de me encontrar mais uma vez
Assim farei, assim o fiz, assim o faço
Cada vez me torno mais distante o possível do que tento ser
Do que tento parecer
Do que sou.


Das tardes, do pôr-do-sol
Debruçada na sacada da varanda
Me vem as lembranças mais insanas
Dos momentos que eu não tive
Dos momentos que viverei.


Uma aquarela em preto e branco
Do amor, desamor
Da flor, da natureza-viva
E da natureza-morta.


Um indício de que o meu copo está meio vazio
Me traz  à realidade novamente
Comumente envolvida pelo carinho 
De braços e abraços que sempre estarão a me proteger.


(Tamires Alci)


•Ouvindo agora: Glycerine - Bush

quarta-feira, fevereiro 23, 2011

CORPO

Ps. Poema encomendado pelo meu querido amigo, Francorebel. Não sei se ficou bem ao seu estilo, porém, mesmo assim, espero que goste.


E de pouco em pouco
Adaptando-se cada vez mais...


O corpo, a massa que dá vida ao nosso espírito
Ou seria o espírito que dá vida a massa?


O que já foi reprimido
Sofrido
Machucado
Sempre tem a chance de se curar.


Há tempos atrás, o escondíamos embaixo de vestidos longos
Que apesar de belos, sufocavam a nossa real beleza
E hoje, depois de tanto tempo
Depois de tanta liberdade
Continuamos sendo manipulados, dessa vez, por uma indústria
Já que agora se mostra tudo o que se quer
Como bem se quer
Somos manipulados pela indústria da beleza.


Da beleza
Da magreza
Da fraqueza
Da tristeza...Que abate os olhos.


Simplesmente, continuamos a manipular
A natureza de algo mais perfeito que já foi nos dado
E nunca, ficamos satisfeitos.


Em vão a alma grita
A lágrima escorre 
A carne perece
Curvas se desfazem
E aos poucos....Algumas vidas também.


Ahhhh os estereótipos...Sempre fazendo alguém infeliz.


Às vezes não é preciso ser belo, é preciso apenas ser singular.


(Tamires Alci)


•Ouvindo agora: Fake Plastic Trees - Radiohead

segunda-feira, fevereiro 21, 2011

NA VERDADE

Sem rumo, apenas caminhando
Apenas com uns pensamentos soltos em minha cabeça
Voando por ai...sem destino
Sem hora de chegar.


Em algum trem que me leve para longe
Para longe de tudo isso
O céu está nublado, mas o sol aparece entre nuvens
Um sol fraco...um tanto abatido
Uma luz quase deprimente invade a sala
Uma canção, uma canção, duas canções
E lá se vai a minha sanidade mental.


É tão difícil decidir, tão difícil decidir afinal, quem gostaríamos de ser
Na verdade, quem somos...
Na verdade, o que fomos
Na mais puríssima verdade...O que gostaríamos de ser.


Não me compreenda mal
Apenas entenda, que quase sempre
Os versos de uma mente insana como a minha
Podem não dizer nada
Ou podem dizer tudo
Leia as entrelinhas...


Não mais me diga o que devo fazer
Não mais me diga como devo agir
Não mais me diga o que devo falar
E que devo me comportar...
Pois me comportarei mal, e continuarei a escrever meus delírios loucos
E continuarei a sentir meu 'eu' gritar dentro de mim
Gritar a voz do silêncio de nunca poder dizer nada
Gritar por ficar entalada com minhas próprias palavras não ditas.


Pelo silêncio de quem tem algo a dizer
Pelo sorriso dos que choram
Pela força dos que resistem
Eu continuarei aqui, a escrever
A me descobrir em minhas palavras
Por mais que me doa...
Um dia saberei quem eu sou...


Uma pequena fugitiva
Que beira seu caminho pelo desconhecido
Uma vez me disse...
'A felicidade está escondida em seus olhos
E somente quando abrí-los conseguirá vê-la.'


(Tamires Alci)




•Ouvindo agora:Runaway Train - Avantasia

sexta-feira, fevereiro 18, 2011

PESSOINHAS FELIZES :)



Brilhem brilhem pessoinhas felizes que vivem na minha cabeça
Pulem pulem pessoinhas felizes
Vivam vivam
Me façam sentir bem
Me façam uma criança novamente
Com seus anéis e jóias reluzentes...

De fato
Meu fato
Meu gato
Meu fardo, está se tornando tão difícil
Me ajudem, pessoinhas felizes...

A dor....A dor...
Se instala tão lentamente
Tão devagar
Que posso sentir, cada pedacinho do meu corpo...Se esvair...

Esvaindo
Mudando
Transcendendo
Transcedental
Animal
Quem sou eu ou, apenas, o que sou afinal?

A primeira vez me mudou
A segunda vez te mudei
A terceira...não vai mais acontecer...

Eu me sinto anestesiada
Pode ser o efeito dos remédios....
Que remédios?
Os que eu invento pra aliviar a dor 'imaginária' que sinto.

(Tá eu sei que meu post ficou meio sem sentido...Mas aos poucos que se interessam, interpretem como quiserem)

Um beijo pra vocês!

•Ouvindo agora: Hurt - Nine Inch Nails


quinta-feira, fevereiro 17, 2011

SE O AMANHÃ NUNCA CHEGAR





E se o amanhã nunca chegar...
Estarei eu, ainda aqui, debruçada na janela à beira do mar.

Se o amanhã nunca chegar
Me lembrarei em momentos finais
Onde estive, e o que verdadeiramente cativei
Lembrar-me ei das suas palavras
Do que escrevi, li ou presenciei.

O céu irá arder em chamas
Tal como o apocalipse?
Talvez....

Porém, se o meu amanhã nunca chegar
Quero estar recostada na cama
Ao meu lado, na cabeceira, um bom vinho
Uma boa companhia...Entende?

E quando tudo o mais parecer irreal
Não quero continuar tendo essa visão mórbida
Móveis antigos, poeira, meia-luz
Uma música ao fundo...

Não, quero que seja intenso
E quero a canção a acalantar a minha dor
Dor que eu talvez nem sinta
Dor que irá apagar quem sou.

(Tamires Alci)


quarta-feira, fevereiro 16, 2011

DESABAFO

Alguns sentimentos
Não conseguimos distinguir
Algumas palavras
Não conseguimos pronunciar
Algumas dores
São difíceis de esquecer.


Está tudo bem, ok?
Para mim não, aliás, estou aqui, porque tenho que permanecer
O ar está um pouco rarefeito, concorda?


Estou tão aborrecida
Que poderia, claramente, fugir
Mas sou tão incompetente e covarde
Que não tenho coragem de fazê-lo.


Agora tenho tantas perguntas sem respostas
Logo eu, que tinha a aptidão de respondê-las tão facilmente
Agora se acumulam...


Agora não tenho mais certezas
Sé é que um dia tive uma certeza verdadeira
(Pode parecer, mas não é redundância...Não para mim)


Estive nisso há tanto tempo
E vai sempre ser o mesmo
Este ciclo não vai se modificar
Até o fim.


Me sinto tão mal
Gostaria de fugir pra algum lugar
Um lugar onde ninguém judiasse dos meus sonhos
Ou me achasse uma simples garota
Lembre-se
Antes de eu ser uma simples garota, sou tão humana quanto você.


Despeço-me por aqui, desculpem o incomodo e o desabafo.


(Tamires Alci)


•Ouvindo agoraVermillion Pt. 2 - Slipknot

terça-feira, fevereiro 15, 2011

NOSSO PECADO



Unidos num só desejo
Numa só carne
Num só pecado...

O pecado mais sagrado
Que dois corpos poderiam cometer
O pecado mais sagrado
Que até o paraíso faz estremecer.

Das mãos, deslizando meu corpo
Da boca, sucumbindo aos meus caprichos
Dos olhos, sedentos por me encontrar
Das palavras que somem
E uma melodia divina entoa
Hmmmm...Ahhhhh.

Os pêlos que se arrepiam
Do encontro do teu corpo com o meu
Minhas unhas marcando suas costas nuas
Escrevendo-te e lendo-te
Como ninguém leu.

Deito-me agora
E espero com você sonhar
Para que mesmo dormindo
Ainda esteja a te amar.

(Tamires Alci)

segunda-feira, fevereiro 14, 2011

UM POUCO DE MIM



Olá, venho por meio deste declarar a minha ignorância em algumas partes da minha vida. E compartilhar alguns conselhos que são frutos da minha pouca, louca, experiência.

Primeiramente, VIVA!
É, digo isso, pois já tive medo de viver, medo de sorrir, medo de ser feliz.

DANCE!
E não tenha medo do seu corpo.

Procure NÃO MENTIR
Pois até pequenas mentiras podem ser tornar grandes confusões (de verdade).

Quando pequenos, temos medo do escuro e quando crescemos também, apenas não contamos a ninguém para não sermos taxados de ridículos, porém, mal sabem que medo do escuro, na verdade, não é medo da ausência de luz...É medo da solidão, é medo do que os olhos não podem ver.

Já tive momentos perfeitos
Já tive momentos tão ruins que pareciam uma cena qualquer de um filme de drama, feito por um escritor com depressão e masoquista.

Já acreditei no ""Pra sempre"
Já vi que ele NÃO EXISTE.

Já me isolei dos meus amigos por uma única pessoa, e vi que a mesma não sentia metade do carinho que eles sentem por mim.

Dê valor aos seus amigos de verdade
NUNCA NUNCA CONFUNDA 
Amigos com colegas e colegas com amigos.

Já perdi meu tempo brincando de ser mau
E vi que foi um tremendo desperdício.

Já perdi alguém muito importante

Já me tranquei no quarto e não quis ver ninguém

Já fiz greve de fome (que não durou 2 dias)

Já quis morrer
Já quis matar
Já quis ME matar.

Já rasguei fotos antigas
E depois de alguns minutos, desejei  veemente não tê-las rasgado
Porém, já era tarde demais...
Entenda isso, algumas coisas, tem de ser feitas na hora, ou então pode ser tarde demais para fazê-las e depois só nos resta lamentar.

Já chorei por alguém que nunca se deu conta da minha existência
Já choraram por mim.

Já tive um coração partido
Já jurei que nunca mais amaria alguém
(Não deu certo)

Já tive um amor platônico
Já chorei vendo filme romântico
Já chorei de tanto rir.

Já afoguei as mágoas no sorvete
Já fui o ombro amigo pra alguém chorar
Já precisei de um ombro amigo.

Já me achei feia, gorda, sem graça e chata
Já me arrependi de ter cortado os cabelos.

Já usei batom vermelho e salto alto, me sentindo um mulherão
Já seduzi e fui seduzida.

Apesar de clichê, já estive no meio da multidão e senti falta de UMA pessoa.

Finalmente descobri que tudo na vida é passageiro como o cheiro de um perfume delicado.

De todos os erros e acertos, percebi que quando se erra, todos apontam o dedo pra você e quase ninguém ou ninguém te mostra como fazer certo.
Quando se acerta, todos acham que você não fez mais que a sua obrigação...
Não ligue pra estes...Apenas esteja em paz com a sua consciência.

Escute música
Cante
Dance
Sorria
Viaje

Telefone pra alguém que não vê há muito tempo e diga a ela o quanto é especial para você

Converse
Leia
Assista a um filme
AME E VIVA
Ame Viver.

Não deixe de acreditar em si mesmo 
E não fique perto de pessoas que não acreditem em você e te desencorajem
Elas nunca vão valer o esforço.

E se você ainda quer um conselho...

VIVA E DEIXE VIVER

(Tamires Alci)

•Ouvindo Agora: Shiny Happy People - R.E.M

(Aconselho a escutarem a música, combina bem com o post, além de ser eleita a vencedora na categoria de fazer pessoas felizes)

segunda-feira, fevereiro 07, 2011

COMUM



Andando por ai e tentando desvencilhar-me de mim mesma
A chuva cai sobre meus cabelos, a noite escura já desceu
Meus passos não se estreitam, nem se apressam
Meu olhar continua perdido para além do horizonte
Além do que meus próprios olhos podem ver.

As ruas, às vezes parecem iguais
Os mesmos prédios, sempre com algumas luzes acesas
As mesmas pessoas
O mesmo silêncio ameaçador dos becos da cidade.

Nada parece me intimidar agora
Digam o que quiserem
Que sou corajosa ou louca, de andar por ai sozinha...
Eu apenas não me importo mais.

Dizem que é comum se sentir assim
Aliás, dizem ser comum muita coisa
Dizem ser comum ficar triste
Dizem ser comum ficar apático
Dizem ser comum amar
Dizem ser comum a violência
E não, eu não conjuguei errado...
O certo seria e não seria:" dizem que é..."
Mas o "Ser" comum, se tornou tão comum, que eu apenas quis variar...
Tô cansada do comum.

Pessoas comuns
Penteados comuns
Carros e acidentes comuns
Vidas "desvividas" comumente.

Tudo se tornou tão comum
Que até o divino, deixou de ser divino e virou comum
Já que preces, agora, são feitas aos berros, no trânsito, em praças, na sua própria casa ou em qualquer lugar que você esteja
Já que o divino, além de ser comum, agora também é inconveniente.

Até o tão sagrado amor é comum
Dizer: "eu te amo"?
Você diz pra sua mãe, seu pai, seu irmão, seu amigo, seu colega, a pessoa que você conheceu na balada, até pro mendigo...

Tô cansada da mediocridade do comum
E de todos vocês que contribuem comumente, deixando tudo isso acontecer
Parem o mundo que eu quero descer!
E ir para um outro lugar, onde as pessoas tenham pensamentos próprios, idéias próprias, sentimentos próprios...
E não sigam essa moda que me incomoda o tempo inteiro.


(Tamires Alci)

Ps. Certo, peguei pesado, podem criticar!

sexta-feira, fevereiro 04, 2011

ME PERDI


De pouco em pouco me perdi...
Me perdi naqueles olhos que sempre estavam ali a me observar
Me perdi naquelas palavras a me acalantar
Me perdi naqueles braços a me abraçar
No que me perdi, aprendi verdadeiramente a te amar.

É bom saber que você está aqui, comigo
Segurando minhas mãos
Se fazendo meu abrigo.

Quando nossos olhares se encontram
É impossível, com palavras, eu aqui descrever
Esse sentimento que tenho por ti
Vê-lo cada dia mais, crescer.

Minutos parecem horas
Horas parecem dias
Que por si só, parecem anos longe de ti
Espero-te ansiosamente chegar.

Tu que sempre ouves minhas palavras
Que realizas meus sonhos
E que acredita que minhas loucuras podem ser reais
É por isso que te quero perto, bem perto...Cada vez mais.

Não atrevo-me a dizer que te amo
Se o que sei é que realmente te amo
E para o amor, não há palavras
Não há verbo
Não há frase ou língua humana que possa descrevê-lo
Porque algo divino, nós meros mortais nunca vamos conseguir compreender
Por isso sinto...Apenas sinto
Deixando o amor acontecer.

(Tamires Alci)

•Ouvindo agora: La Solitudine - Renato Russo

terça-feira, fevereiro 01, 2011

REBECA



Tudo o que fomos
É mais do que não fomos
É pequeno como um grão de areia
Mas juntos, somos a praia
A deriva em um universo solitário
Um mundo criado por cada um de nós.

O vento que faz as janelas balançarem
A chuva que molha os cabelos da rainha da noite
O olhar vazio e inexpressivo de todos os olhos a me observar
As palavras insignificantes saindo de várias bocas que falam sem parar.

Parem!
Parem todos!
Eu posso descer?
Reconsidero cada dia que vivo
Inconscientemente me pego deitada na cama a pensar: onde eu estou?
Onde foi que eu me perdi de mim mesma?
Em que ponto da estrada eu me deixei para trás?

Cada fio de cabelo loiro agora rebeldemente tingido de preto
Cada pelo do meu corpo que se arrepia com a idéia abominante do que eu me tornei
Sem saber, eu sei que nada saberei até o fim.

Nada do que eu sou, eu fui
Ou o pouco que me restou...
O resto do nada que se dilui num copo d'água.

Uma mente insana com idéias normais
Uma mente insana que não pode se expandir...Jamais.

Lábios róseos, olhos azuis
Bochechas rosadas...
Quem é você Rebeca?
De onde vem essas lembranças amargas?

(Tamires Alci)


  •