Subscribe:

terça-feira, maio 31, 2011

MANIA DE POETA

Eta mania de poeta
Fingir que sente dor
Ter desapego pelas coisas
E por tudo mais que for.


Eta mania de poeta
Falar rebuscado
Se sentindo chique
Enfeitando seus versos pra contar pecados.


Eta mania de poeta
Ter esse ar blasé
Fica falando de amor
Pra um capricho seu, preencher.


Ir se despojando em linhas
E reclamando do preço/pedágio da sua vida.


Eta mania de poeta
Achar que vai escrever
E ninguém vai ler.


Eta mania de poeta
Achar que ninguém pode compreender.


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: Inesquecível - Laura Pausini & Sandy

segunda-feira, maio 30, 2011

EU SOU MINHA

E do violão saem notas desafinadas
Que mal chegam a formar uma canção
Mas que, de certa formam, conduzem um tom de tristeza
Condizente com a cena em si.


Do sol maior, fez-se o lá
Do ré, fez-se o dó
E em cordas perco-me em mi(m).


O vento que teima em balançar cabelos desgrenhados
E aquece-me com uma leveza quase solitária
E o que era preto, vai desbotando-se para ruivo
Para pontas mal-acabadas.


A cidade não é mais a mesma
Os olhos não são mais os mesmos
A boca que vos canta e desencanta também não é a mesma
Nem os motivos
Mas a canção permanecerá
Enquanto houver um só ser estúpido que queira a dedilhar.


Quantas tantas vezes chorei
Me apavorei e pensei que nada ia voltar a ser como antes
Hoje, vejo claramente que tudo mudou
Mas as lágrimas foram em vão...
Foram como o choro de uma criança a ser deixada na porta da escola pelos pais
Ela se desespera, mas é um desespero vão
É só medo.


E se não houver amanhã, estarei livre de minha culpa
Do que chorei e tentei desistir
Do que me reergui e vivi.


Hoje eu sou minha.


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: I Am Mine - Pearl Jam

sexta-feira, maio 27, 2011

CIGARRO

Quando você só se perde
Você se deixa levar por leves dores
Por leves dores que chegam a dar prazer
Uma auto-aniquilação por partes
Pequenas partes...


Na sua visão nada é do jeito que deveria ser...
Você deveria usar um óculos..."!"


As músicas já não soam como soariam antes
As paredes não são mais de concreto
A fumaça do seu cigarro te intorpece mais do que o ato em si
Te intorpece mais do que a própria nicotina
Refletir nas partículas do ar a combustão do seu corpo e finalmente atravessar sua retina
Quando isso não acontece, incomoda sua rotina.


Bravo e selvagem, se achando elegante com um cigarro caído no canto da boca
Barba mal-feita...E sexy.
Mas isso é tão banal...
Tão banal quanto a dor do amor que tu sentes
Pra se afogar em intorpecentes. 


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: The Blues - Guns N' Roses

quinta-feira, maio 26, 2011

TEMPESTADE TROPICAL

Não consigo restringir a minha maneira de viajar por outros espaços
Por outros devaneios...
Não sei se posso
Não sei se creio.


Se crio, recrio, destruo e remonto
E mais meu puro eu
Eu mudo minha forma de pensar
Eu mudo minha forma de falar
Eu mudo as minhas roupas e o meu cabelo
E continuo sendo eu
Uma espécie de tempestade tropical
Que passa forte, destrói tudo
E quando se contenta. Pára.


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: Metamorfose Ambulante - Raul Seixas

terça-feira, maio 24, 2011

O POEMA SEM SENTIDO


E antes de qualquer coisa
Pensamentos me rodeiam
Ou sou eu rodeando meus pensamentos?

Ou sou eu a me perder na vastidão
Dessa cama de solteiro?

A viajar pelo meu universo intergaláctico
Interplanetário e quase sombrio.

As unhas descascadas demonstram certo tipo de ansiedade
Partindo do ponto de vista analítico-esquizofrênico
Mas não...Isso não me importa.

A caneta reflete o brilho do lustre enquanto escrevo
Isso sim me importa
E me incomoda.

De certa forma o brilho ofusca a minha criatividade.

Tem mais coisa também, mas nem vale a pena citar.

O poema sem sentido
Do poeta sem brilho
Que afoga suas mágoas
Em tinta de caneta.

(Tamires Alci)

•Ouvindo Agora: Fragile - Poets Of The Fall

segunda-feira, maio 23, 2011

SOZINHA PARA SEMPRE

Em quantos rostos mais eu precisarei me ver
E não me encontrar?


Em quantos espelhos meu reflexo irá refletir
Uma parte desconexa de mim?


Em quantos lagos morrerei afogada
A tentar capturar a imagem que vejo?


Eu não sei por quê...
Não sei por quê estou tão longe.


Que a minha alma descanse em paz
Em vida...


Fragmentos de todo o meu "eu"
Estão espalhados pelo chão
Eu não consigo encontrar a ordem correta
Talvez não haja uma ordem correta
Apenas me deixe sozinha mais uma vez
Sozinha mais uma vez...Para sempre
E eu irei me recompor...


De tudo o que eu vejo e mais ninguém vê.


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: So Far Away - Avenged Sevenfold

quinta-feira, maio 19, 2011

ALGUÉM COMO VOCÊ


Eu preciso de alguém
Alguém como você
Que me abrace forte 
E me conforte.


Alguém que me beije
E faça esquecer o mundo ao redor
Alguém como você.


Que partilhe dos meus sorrisos
E que me faça sorrir
Que partilhe de minhas lágrimas
E não me faça chorar
Alguém como você.


Porque por onde eu passo
Tudo se ilumina
Eu vejo nas faces das pessoas
Os lugares onde nunca estive
As luzes brilham para mim
Mas não seria o mesmo
Se eu não tivesse alguém como você.


Eu posso saber o que quero ter
Eu posso saber como fazer
Eu posso ler pensamentos...
Os meus pensamentos.


Eu dedico cada segundo à fazer da minha vida um pouco mais especial
EspAcial...


Só porquê...
Eu não tenho alguém como você...Eu tenho você.


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: Use Somebody - Kings Of Leon

quarta-feira, maio 18, 2011

NOSTALGIA

Enquanto descia as escadas
Parei, pensei, tentei
E não resisti à sentar-me em seus degraus.


São 10 horas, de uma manhã agradável de outono
Fresca, porém com sol
Os raios ajudam a lenta recuperação de uma crise de bronquite
A cada tosse, meu corpo parece desfalecer.


Meus pensamentos voam longe, parecem mais ter subido as escadas
Rumo ao infinito
Olhando o quintal, vejo o pinheiro, bem ali, no centro do jardim
Quando foi plantado, era menor que eu
Agora dá três de mim, e ainda fico menor assim.


Não sei o que dizer mesmo, talvez eu esteja mergulhada na minha nostalgia
Antigamente haviam onze-horas por aqui
Não as vejo mais.


Antigamente haviam mais árvores por aqui também
Não as vejo mais.


Agora só o meu cabelo que ainda encosta no chão da escada
De resto, nem os dias tem sido iguais.


O tempo passa
E o meu sorriso bobo e sem graça
Percebo que o sol já se escondeu entre as nuvens
Deixe-me ir, antes da próxima chuva.


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: Patience - Guns N' Roses

terça-feira, maio 17, 2011

A RAINHA DA NOITE

De: Victor
Para: Rainha da noite


Rima
Rima com o quê?


Minha fé, meu canto
Meu lar, meu santo
Meu templo, meu pranto.


Assim, perco-me por entrelinhas
Que eu não deveria ler
Fecho meus olhos
Para o que não desejo ver.


Como um andarilho
Não tenho medo de ventos e tempestades
Esses sim, são parte de mim
São parte do meu brilho.


Escondo-me em teus segredos mais íntimos
Desfaço-me em mil pedaços
Dos olhos, sou sua íris
Do cabelo, sou o laço.


Sob as nuvens finas que recobrem o céu
Feito um véu, que levemente vai se tornando colorido
Eu vejo
Um arco-íris Lunar
Enquanto aqui, admiro, diante do meu templo, a adorar.


Grito suave de desesperança que acompanha a noite
Sensualidade da escuridão que cai
Olhos de gato a observar o meu pernoite.


Dama do vestido vermelho que atravessa a rua
Sorriso misterioso
Imagino-te nua.


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: Sweet Dreams (Are Made Of This) - Marilyn Manson

segunda-feira, maio 16, 2011

ÉPICO

Léguas e léguas galopei 
Por verdes pastos
Embaixo do céu azul 
E sob noites claras
A lua a iluminar nosso caminho incerto.


Reluzente espada de prata
Suja por sangue de inimigos
Limpa pela honra vingada de irmãos.


Eu sou aquele que vive na linha do horizonte
A linha que divide a vida da morte
O que poucos tem coragem de ser
"Eu sou metal...Raio, relâmpago e trovão."


Já atravessamos florestas e penhascos
Rios e pampas
A ir de encontro ao nosso destino.


Somos muitos, porém nunca se sabe a grandeza de quem irá nos confrontar
Sabemos que a hora da batalha se aproxima
A cavalaria entoa mais uma vez
Seu cântico das mil almas.


"Que a morte chegue à cavalo
E que o cavalo sejamos nós.


Que o sangue se derrame nos pastos
Pelas espadas que empunhamos.


Que caia o inimigo aos nossos pés
Não nos foi ensinado a desistir
Se for para a morte nos açoitar
Que sejamos mortos como heróis.


Se os caminhos se tornarem tortuosos 
E as portas se fecharem para nós
Que Deus não nos abandone
Não nos deixe sós."


Enquanto uma única voz ressoa pelo vale
A voz de todos os cavaleiros
No meu coração ressoa somente um grito
Um grito seco
Que transparece em meu rosto a saudade de casa.


Que não me seja tomada a coragem agora
E seja me dada a honra e a glória para sempre.




(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora : Metal Contra As Nuvens (MTV Acústico) - Legião Urbana

quarta-feira, maio 11, 2011

MEUS ANÉIS DE SATURNO


Apenas uma partícula em todo o universo
Eu sou a massa formada por diversas partículas
Que no fim, são somente uma
Que no fim, continuam sendo uma
Uma....
Em todo o meu sistema solar.

Recriei o meu sol
A minha terra
Em em meus dedos os anéis de saturno
Sobre a minha cabeça
Um chapéu enluarado.

Acrescento ao meu vestido
Uma renda
Uma renda fina
Fina camada de estrelas.

Pulseiras e cordões
Um véu de poeira cósmica cobre minha face.

Esta sou eu
Mesmo com milhares de partículas
Continuo ainda, sendo somente uma.

Ou diria...

Única?

(Tamires Alci)

segunda-feira, maio 09, 2011

NIKI ( II DE II)

As pessoas começaram a ir embora, e nós dois fomos ficando e ficando, até que a música parou, ouvimos um barulho de porta fechando, mas estávamos bêbados e entretidos demais para levantar e sair correndo, apenas deixamos rolar...

(-É assim não é Eduardo?! Deixar rolar?!)
(-Acho que sim, nunca tive muita influência popular no meu vocabulário)
(-Ah, obrigada, eu acho)
(-De nada...Mano)
(risos)

Voltando.

É, nós simplesmente, deixamos rolar, aparentemente eram 3 ou 4 da manhã ou talvez 6, eu não me lembro bem...O dia ainda não havia amanhecido. À essa altura eu estava deitada no sofá e Eduardo no chão do meu lado e o lance da conversa sobre religião foi se estendendo à teorias conspiratórias, como os Iluminatti, logo depois, política e afins e quando percebemos, estávamos tramando um plano pra dominar o mundo. 

É, nós realmente estávamos muito bêbados, mas éramos dois bêbados com Q.I acima de 120 portanto, acho que éramos dois bêbados potencialmente perigosos se quiséssemos realmente dominar o mundo, ou talvez invadir o banco central. Só não o fizemos, porque estávamos cansados demais...Eu, estava cansada demais na verdade, o Eduardo parecia uma pilha de nervos, sei lá, ele estava elétrico.

Eu levantei-me do sofá. Estava dominada por uma ordem incontrolável dos meus hormônios fascinada por Eduardo, nunca havia reparado nele como homem, sempre o via como meu irmão, sei lá...Acho que naquele momento, ele sentiu o mesmo que eu...Abraçamos-nos. Porém, eu travei, olhei pra ele e quando íamos nos beijar, vi a aliança em seu dedo. 

Paramos, ambos, vimos que aquilo não era certo e combinamos de esquecer aquele ocorrido. Ele disse, meio sem graça:

-Não vale a pena trocar uma vida por uma noite, me desculpa, Niki
-Okay, sem ressentimentos querido...

Um silêncio inesgotável se instalou até nascer o sol e alguém vir limpar aquele lugar...

(E eu fiquei a pensar na frase que ele havia me dito. Talvez, se eu não tivesse feito as escolhas erradas, eu seria a "vida")

Tudo bem, eu já estou acostumada a sempre perder as coisas que mais quero...

Talvez eu esteja perdendo a minha religião...

(Tamires Alci)


quinta-feira, maio 05, 2011

NIKI (PARTE I DE II)

É, vamos começar...




Eu já estava no meu carro, a caminho da festa, devia ser faltar alguns (poucos) minutos para as dez da noite. Enquanto fazia o trajeto rumo ao meu destino, eu clinicamente planejava o que iria fazer no dia seguinte. Estava de férias do trabalho, talvez eu devesse ir ao museu ou ao planetário...Ou simplesmente ficaria em casa, dormiria até tarde, comeria pizza no almoço e ficasse vendo alguns seriados na tv, estava em dúvidas.

Cheguei.
A festa estava ótima, muito bem arrumada e uma decoração exemplar, como sempre. Típico de Juliana, sempre dava ótimas festas. Luzes neon por toda a parte, garçons, tequileiros, havia até alguns strippers...O ambiente em geral, me chamou a atenção...Tudo competia por um tom retro-futurista. Parecia as vezes que eu tava num filme de 2100 ou às vezes eu pensava estar no "De volta pro futuro", porém caia perfeitamente bem aos meus olhos...Sempre gostei desse estilo meio novo. Assim que entrei tocava Futuristic Lover. Fiz um tour pela festa, falei com alguns amigos, olhei outros ambientes, vi gente se pegando por toda a parte, gente usando drogas...Sei lá...Não me incomodou.

Pedi um drink ao barman e sentei em um sofá que estava vazio no canto da sala. Era confortável e sua vista dava para a janela, então eu não ia me sentir "sufocada". Passaram-se alguns minutos, eu bebi mais um pouco, quando nas caixas de som, começou a tocar a nova música da Lady Gaga, Judas. Sorri e num momento descuidado, falei para mim mesma.

-Judas, Judas...Judas é o meu passado, aquele traidor.

Quando de repente me veio aquela voz familiar.

-Falando sozinha de novo? Parece que a terapia de ficar em casa sentada no sofá não está ajudando muito não é?

-Não estava falando sozinha Eduardo, não seja impertinente, é que até agora eu não tinha encontrado nenhum ser humano de inteligência avançada que estivesse sóbrio. Portanto resolvi comentar alguns fatos hipotéticos do meu passado com uma mente mais aberta...Se é que você me entende...

-Eu sei que está falando de mim...

-Não era necessáriamente...Era pra ser algo irônico.

Fez cara de confuso...

Nós dois rimos. Ele veio em minha direção. Levantei do sofá e abracei-o. Não fazia muito tempo que a gente havia se visto pela úiltima vez, mas eu sempre sentia saudade daquele sujeito estranho que, para mim, sempre pareceu ter síndrome de Asperger, apesar de ele negar. 

Tinha um jeito peculiar de se relacionar com as outras pessoas, era difícil pra ele distinguir ironias, por isso eu sempre as fazia...Acabávamos sempre rindo, porém, eu também nunca sabia quando ele estava sendo Sarcástico.

Fomos tomando umas e outras e nos distraindo, eu havia o conhecido quando ele estava cursando sua 3ª faculdade. Ele era cético, bem cético mesmo, porém nós vivíamos falando sobre religião, aliás, era um dos nossos assuntos favoritos, rendía-nos ótimas discussões, que duravam horas, assim como esta. 

Nós dois, numa festa, bebendo e discutindo religião...Fora do contexto, mas era o que gostávamos de fazer. E assim foi adentrando a madrugada, conversas, risadas, bebidas...Todo mundo dançando e conversando e se pegando...E se drogando. (Não, não era o nosso caso).

CONTINUA...

(Tamires Alci)

•Ouvindo Agora: Judas - Lady Gaga


quarta-feira, maio 04, 2011

ARCO-ÍRIS

Não é encantador
Quando o sol consegue um pequeno espaço
Em meio as nuvens escuras de um dia de chuva?

Seus raios levemente vão transpassando os pequenas gotículas
Refrata, reflete e refrata de novo
Todos chamam de arco-íris
Mas eu sou uma pequena criança grande
E acho isso um adorável pequeno milagre
Enquantos há outros que dizem que é apenas uma ilusão de ótica
Que parte do ponto de vista do seu observador
Sinto-me abençoada quando vejo essas "ilusões de ótica".

É engraçado como a união da tristeza e a felicidade
Para mim, podem parecer um espetáculo tão dócil.

Eu gosto do inverno
Não pelas pessoas serem mais elegantes e a temperatura mais agradável
(Na verdade, por isso também)
Acho admirável olhar as pessoas passando 
Andando de um lado pro outro com guarda-chuvas pretos 
Ou em cores sóbrias
Quando sempre tem uma criança voltando da escola, com aquele guarda-chuvinha colorido
Isso dá um lindo efeito do alto
É como um pequeno pingo de felicidade.

Sem falar das gotas que quando caem no chão
Geram pequenas ondas sísmicas
Nas poças de água
Que se acumulam.

Algumas, muitas, pessoas achariam terrível
Mas eu fico com o meu ponto de vista
Eu penso que sou um pouco boba...
Ou talvez seja apenas feliz.

Alegre-se

(Tamires Alci)

•Ouvindo Agora: Hey Soul Sister - Train

terça-feira, maio 03, 2011

SORVETE?

Tão longe de mim, eu mesma estou
Este quarto e este eu, transpiram as minhas próprias escolhas
Como uma taça com água
Uma taça sem vinho.


Noite escura
Manhã vazia
Coberta quente
Tarde fria.


Em um clima auto-destrutivo
Eu me testo
Eu me detesto.


Eu tenho as minhas mil faces
Que abusam de mim como e quando bem querem
E me deixam sem saber.


Eu sou uma rosa vermelha
Sem espinhos
E sem perfume.


Sou um bebê triste
Que não se contenta com o que tem
E reclama por querer demais.


Talvez eu devesse estar feliz
Ou triste...Ou os dois
Mas eu não sei
Nem eu mesma sei 
O quê sou.


Sou uma criança com um sorvete de morango
Que deseja o de chocolate
Que tem o de chocolate
E deseja o de baunilha
E quando não tem nenhum, deseja napolitano.


Eu nunca aprendo
Então, por favor
Me dê uma taça de vinho
Uma de água
Os meus sorvetes
Algumas balas
E um revólver...
Só pra garantir.


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: Plush - Stone Temple Pilots

segunda-feira, maio 02, 2011

PERGUNTAS

Eu penso sobre o que sou
Eu penso sobre o que fui
O que vou ser ou serei.


Tenha a bondade de não rir
Dessa alma antiga
Em um corpo jovem.


Desses pensamentos velhos
Em olhos tão claros e tão novos.


De tudo que se está a frente de seu próprio tempo
De seu próprio templo.


Não digo ser mais inteligente que ninguém
Digo apenas que não me conformo com as minhas mãos
Com os meus cabelos
Com os meus braços
Com eu ser tão jovem
Com eu ser tão "inexperiente".


São todos os olhares a te olhar de uma forma diferente
São várias perspectivas sobre um mesmo assunto
Um ponto visto de ângulos desiguais.


Não me olhe assim
Eu não gosto que me olhem assim...


Como se isso importasse.


Eu não sou a única com esses sentimentos
Ninguém nunca vai entender porque seus problemas sempre aparecem
E todos nós vamos continuar nossa eterna busca
Por respostas de perguntas que nem sequer chegamos a nos fazer.


Fome Insaciável por informações
Às vezes faz mal à saúde.


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: Dead Horse - Guns N' Roses
  •