Subscribe:

sábado, julho 30, 2011

OS ECOS DO PASSADO

Hoje estou aqui
E não tenho nada específico pra dizer
Não tenho versos
Não tenho cartas
E também não tenho o que fazer.


Me peguei aqui
Vagando por linhas mortas e brancas
De um caderno velho qualquer
A caneta continua inerte em minhas mãos.


Todo esse ar retrógrado me embriagou
E agora não sei onde foram parar as minhas palavras
Talvez elas estejam escritas com tinta invisível
Alguém tem luz negra?


Eu só tô parada aqui
Como por muitas vezes fiquei
Talvez eu esteja me escondendo
Talvez eu não saiba quem sou.


No rádio, aquela música que eu gostava de ouvir
Ela não é mais a mesma
Mas permanece tocando por ai
Feito os versos que escrevi
Feito eu que me perdi.


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: Creep - Radiohead

quinta-feira, julho 28, 2011

EU

E por ai fui andando
Fui vagando
Fui divagando
Por entre ruas e estradas
Por esquinas e becos
Me perdendo
Me encontrando
Me assaltando.

Fui eu em todas as vezes
E fui eu até mesmo quando não quis ser
Fui eu quando o sorriso se fez por entre lágrimas.

E milhares de vezes me perguntei quem sou
O que sou...
Eu sou apenas o que me pega
E o que me tem
Ao que me pertence eu tenho amor
Ao que não pertece posso ter até desdém.

De tudo que vi
Estava eu ali
Aproveitei pra saber
Do dissabor que vivi.

Mas vivi
Vivi
Sobrevivi
E estou aqui.

(Tamires Alci)

•Ouvindo Agora: Saint Anger - Metallica

segunda-feira, julho 25, 2011

DESTILANDO O VENENO

Esse é especialmente pra todos que tem alguma coisa pra desabafar. 
Pra todas as pessoas que tem um nó entalado em sua garganta e não conseguem respirar
Pra todos que tão cansados de engolir seco, quando sua vontade é cuspir (bem na cara de alguém)
Foda-se, esse aqui vai ser o meu carnaval.


Você já pensou em quantas vezes eu acolhi você?
Você já pensou em quantas vezes as suas lágrimas caíram sobre o MEU ombro e o de mais ninguém
Ou em quantas vezes você se deitou no meu colo e eu te fiz dormir.


Você se lembra de todas as risadas que deu de piadas minhas
De todas as vezes que eu te comprei sorvete
Ou você não se lembra mais?
Eu acho que não...
Porque o que você tem agora, não passa de ingratidão.


Eu odeio olhar nos seus olhos
E ver que a criança com quem eu brincava, simplesmente morreu.
Eu odeio olhar pra você e não ver o brilho nos seus olhos.


Eu odeio quando você passa acorrentada à um cruel destino que você mesma escolheu.


E você que me liga pra pedir perdão...Eu odeio você também.
Eu detesto as suas desculpas, que são sempre as mesmas
Eu não suporto mais te ouvir
Você não entende isso?


Sua cabeça está poluída por idéias idiotas
Que...Sinceramente, não tem a mínima chance de dar certo
Deixe o passado para o passado
E viva sua vida.


Acha que eu esqueci do buraco que fez em mim?
E agora você tenta escondê-lo com pó-de-arroz
Da mesma forma que mulheres escondem suas imperfeições...Por pouco tempo.
Só falta dizer que me fez feliz.


Eu detesto pensar, no quanto eu me esforcei e me dediquei
Tanto por um, quanto por outro
Pra no fim...Não dar em nada.


Pra todos vocês que só olham seus próprios umbigos
Sinto nojo da vossa existência
Seus porcos.


*Um Breve Aviso*


"Pra quem não sabe, o mundo dá voltas..."


E é bom vocês se prepararem
Porquê quando chegar a minha vez
Ai sim, não vou ter pena nenhuma de vocês.


*Outro Breve Aviso*


"Isso pode ter sido uma ameaça...Ou não"


Mas não se assuste
Eu não sou só veneno
Nem só garganta
Não sou o diabo
Mas também não sou santa.


*Dedicado à todos os filhos da puta que eu conheci e que eu ainda conhecerei, que isso seja feito um tapa na cara, bem dado, sem nome e seguido de um cuspe.


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: You Could Be Mine - Guns N' Roses

sábado, julho 23, 2011

À BEIRA-MAR

Depois da meia-noite
São só mais duas doses para o amanhecer
São só mais duas doses pra mim
E pro meu corpo adormecer.


Eu fingia que não sabia de nada
Andava como se pudesse controlar o tempo
Mas eu não controlava nem meus próprios passos
Descompassados
Fora do ritmo.


Sempre tentava ter um sorriso
Sempre tinha um sorriso
Mas eu também não controlei...
Não controlei a minha alma.
Que descompassava junto com os passos e a arritmia.


E assim, eu só me sentava
À beira-mar
Como se tivesse ali por algum motivo
Mas eu sabia que não era nada.


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: Vento No Litoral - Legião Urbana

quinta-feira, julho 21, 2011

UM PEQUENO ENSAIO SOBRE O LAGO, O VIOLINISTA, O SILÊNCIO E A MORTE.

Então, todas às tardes, por volta das cinco, estava ele lá: O violinista. Pra ele, pouco importava se estava frio ou calor. Aliás, pra ele pouco importava qualquer outra coisa.

Quem via de longe, sempre o achou louco. Tocando sozinho, à beira do lago, como se alguém pudesse o ouvir, alguém que não fosse uma das poucas pessoas, que, vez ou outra, atravessavam a estrada de barro. Ele tocava com dedicação, como quem toca pra uma platéia de cem mil pessoas. Sempre foi assim.

Tocava seu violino, que por sinal, não era um dos melhores,  porém, fazia-o  com tamanha destreza. Seus dedos habilidosos, percorriam as cordas, como se afagassem os cabelos de uma bela dama...Uma bela dama que poderia já ter partido. Uma bela dama que poderia estar ali. E ficava por horas à fio.

Por vezes parava durante o pôr-do-sol, e ficava admirando as milhares de tonalidades do céu enquanto era engolido aos poucos pelo horizonte e pelo lago...Era um espetáculo quase indescritível, via as cores de um outro modo, era daltônico... Às vezes, o céu ficava como um caleidoscópio, fosse pelo seu pequeno desvio, fosse pela sua imaginação. O silêncio quase gritava. Era como uma criança que chora,mas sem o som.

Passavam poucas pessoas por ali, mas ele nunca percebeu que passavam, ele ficavam completamente compenetrado em seu violino ou no céu. Elas deviam falar alguma coisa...Ele não as escutava.

Diziam:

-Ele é um louco, fica tocando sozinho, pra ninguém...

O que mal sabiam é que toda tarde alguém o escutava...Fosse a bela dama de cabelos louros, fosse a bela dama de capa preta...

Adam sabia...Só estava se preparando...

(Tamires Alci)

E ESSA É A VIDA

São pessoas e pessoas que passam pela nossa vida
De súbito, aprendemos a amar mãe e pai
Depois, coleguinhas de escola, viram amigos.


Depois de mais algum tempo
Você percebe que nem sempre mãe, pai e família são dignos do seu respeito
Muito menos do seu amor.
Existem alguns que se salvam


E os coleguinhas de escola
São só ainda mais pessoas querendo te levar pro buraco
Existem aqueles que se salvam aqui também.


Toda a regra, tem uma excessão.


Alguma vez, alguém me disse: "tudo pode ser substituído"
E isso é a mais pura verdade
Substitui-se a casa dos seus pais, pela sua casa
Substituem-se amores antigos e mal-resolvidos, por novos amores
Substituem-se colegas, por amigos.


E essa é a vida
Um eterno randomizar de sensações, lugares, amores...
Um eterno pulsar de luzes
Um eterno bombear de corações loucos....


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: My Friends - Red Hot Chili Peppers

quarta-feira, julho 20, 2011

AMIGAS PARA SEMPRE

Eu e você
Amigas pra sempre
Paradas aqui, sentadas, assistindo ao pôr-do-sol.

Faz muito tempo que já estamos juntas, não é mesmo?
Passamos por tantas dificuldades
Mas superamos
Ficamos sem nos ver por um tempo
Mas não aguentamos
E hoje estamos aqui.

E hoje ficam mais claras as nossas diferenças
Já não temos os mesmos sonhos
Já não ouvimos as mesmas músicas
Já não passamos pelos mesmos lugares
Mas ainda estamos aqui.

Lembro como se fosse ontem de todas as nossas conversas
Dos nossos medos e expectativas
E hoje, posso ver com clareza, o quanto nós crescemos
O nosso medo se dissipou
Mas todas as conversas ficaram, e ficarão para todo o sempre
Todos os conselhos que eu dei e recebi
Todo o amor que compartilhamos
Todas as lágrimas que foram amparadas por um ombro amigo...
O seu ombro amigo.

E hoje posso dizer, que não importa quanto tempo passe
Se a gente se vê uma vez por semana ou uma vez por ano
Não importa se a gente finge que não liga uma pra outra...
Porque eu sei, que quando eu precisar
Você vai estar aqui.
Vocês vão estar aqui...

(Tamires Alci)

•Ouvindo Agora: Last Train Home - Ryan Star


Dedicado à todas as minhas amigas. E também aos amigos. Juntos hoje, amanhã e sempre. ♥


Amigos são a família que podemos escolher.

terça-feira, julho 19, 2011

JAMAIS TE ESQUECEREI

E hoje é um dia   
Do qual eu não gostaria de me recordar
Já faz tanto tempo que você se foi
Tanto tempo que me deixou aqui
Sem uma parte de mim.


Há quatro anos atrás
Eu conheci o sabor amargo da morte
Já era noite, quase dia
Quando uma voz desesperada chamou pelo telefone
Meu pai, em seu socorro, foi ao teu encontro
Ninguém sabia realmente o que estava acontecendo
Só sabíamos a gravidade
A (DESA)gravidade.


Fui até o banheiro
Olhei no espelho
E em silêncio pedi
Que nada lhe sucedesse.


Foi nesse momento que meu coração quase parou
E o grito mais silencioso ecoou dentro de mim
Segundos antes do telefone voltar a tocar
Quando tive a certeza do que aconteceu...
Chorei...
As mesmas lágrimas que ainda escorrem pela minha face.


Se eu pudesse
Apenas diria-te o quanto sinto tua falta
Falta do teu sorriso
Das brincadeiras
Do teu abraço
Dos nossos encontros todas as tardes
Quando o sol ainda estava abaixando.


O que eu realmente sinto falta, é da tua voz me chamando:
-Nina?!


Lembro das pessoas ao redor
E do tumulto que foi
Mas hoje, guardo apenas as recordações mais doces que tenho de ti
E que não importa quanto tempo passe
Ainda permanecerão
Assim como o amor que tenho no peito.






Destinado e dedicado à alguém que fez de mim, a pessoa que sou hoje. Que fez da minha vida um pouco mais feliz, que foi e sempre será alguém à quem tenho grande admiração, amor, carinho e respeito. Alguém que simples palavras, jamais conseguiriam descrever.


Obrigada por ter estado na minha vida por tanto tempo e por sempre estar lá quando eu precisei. Eu te amo, eu te amo.


Ao meu grande amigo e avô, José Alves.


           Com muito carinho. Nina.


•Ouvindo Agora:Love In The Afternoon - Legião Urbana

"Era assim, todo dia de tarde, a descoberta da amizade...Até a próxima vez..."

segunda-feira, julho 18, 2011

A SIMPLES FELICIDADE

E quando estou aqui, à beira do abismo
Espero-te, como quem espera um milagre
Como quem espera a alegria do carnaval
Como quem sabe que vai passar
E não vai ser tão mal.


E quando eu for embora
Ninguém vai se lembrar
E se lembrar
Vai ser um breve sorriso
Que o vento vai levar.


Como a pipa que flutua pelo céu azul
A grama verde que contrasta com as rosas
E a neve que se desfaz aos poucos
Quando o sol deixa de se esconder.


Risco a calçada com um giz
Desenho a amarelinha
Onde minha chegada é mais longe
E sempre jogo sozinha.


Vou guardar os granulados do brigadeiro
E esperar você chegar
Colocar a coca-cola no gelo
Pra gente desperdiçar uma tarde inteira
Como dois gatos correndo atrás de um novelo.


Sem medo...Só isso.


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: Chão De Giz - Zé Ramalho

sexta-feira, julho 15, 2011

O VÉU

E se pensar que tempestades e ventanias 
Irão destruir minha estrada
Está desperdiçando seu tempo
Porque hoje sou só eu e mais nada.


Nenhuma pedra no meu caminho vai se prostrar
Nenhuma espada, meu sangue irá derramar
E mesmo que eu não tenha asas
Ainda assim, conseguirei voar.


Não importa que digam
Que sou eu uma alma errante
Nos meus delírios continuo sã
Continuo distante.


Distante da corja (des)humana
Insana
Tonta
Cruel
Que rasga crianças, como se rasgassem um véu.


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora:Perfeição - Legião Urbana

quarta-feira, julho 13, 2011

DEVIL'S ROAD

Me olhou nos olhos profundamente
Sorriu e parecia que sua boca ia me devorar
Lábios rubros...
Que já haviam devorado minha sanidade uma vez
Para devorar agora, só bastava um beijo
Mas ela se foi.


Subiu em sua moto
Desbravando aquela estrada perigosa
Tão cheia de curvas quanto seu corpo.


Aquela pele alva
Tingida por desenhos
Dragões, flores e uma enorme Gibson Les Paul tatuada em suas costas
Não sei mesmo se era mais bonito ver seu corpo nú
Ou ouvi-la tocar
Não sei se eram mais bonitos seus olhos azuis
Ou seu cabelo a balançar.


Ela é do tipo que não faz manha
Fala na cara
E o resto que se foda
Alimenta seu desejo como bem quer
Ela não é uma menina, é uma mulher.


Olhos bem marcados
Boca vermelha
Roupas pretas
E coturnos
O tipo certo de garota errada.


Assim ela se vai mais uma vez
Pela estrada do diabo
Nós ainda temos um compromisso marcado
Para o próximo mês.




Ouvindo Agora: Sympathy For The Devil - Guns N' Roses


Dedicado especialmente ao Dia do Rock, um abraço à todos os rockeiros e admiradores do estilo. \,,/

segunda-feira, julho 11, 2011

SOLDADOS

Somos todos soldados
Nas mãos da vida injusta
Que nos arrasta pro campo de guerra
Sem nem perguntar o que queremos.


Somos todos soldados
Que vemos mais soldados morrerem todos os dias
Morrerem pelo descaso de seus comandantes
Morrerem pelo descaso de seus companheiros.


Somos todos soldados
Que vivemos de uma realidade inventada
Uma realidade inventada que nos diz que um dia a guerra irá acabar
Mas não irá, e tanto eu como você, sabemos que isso é a verdade
Enquanto os ricos ganharem pela morte de suas tropas (nós)
Nós morreremos
Morreremos de fome, morreremos de sede, morreremos de insatisfação
E eles irão ganhar a medalha que devia ser nossa
A medalha que nós fomos buscar.


E é assim que eu me sinto nessa vida
Como um soldado
Desolado, no campo de batalha
Sem saber se volta pra casa
Sem saber se terá dias felizes de novo.


Quem vem à essa vida, deve ser avisado:


"AQUI, SÓ OS FORTES SOBREVIVEM"


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: Like Toy Soldiers - Eminem

quarta-feira, julho 06, 2011

UMA DOSE A MAIS

E porque muita gente encara a tristeza como um pote de solidão
Um vazio
Um infinito vazio
Uma angústia
Uma dor
E que na verdade é bem isso.


Três quartos de estupidez própria
O silêncio que ecoa
Mesmo mil vozes gritando, cantando...


Um pensamento que não sai da cabeça
A vontade de não viver a tristeza
E mesmo assim, a vontade de se afundar cada vez mais
A vontade de ver o quão profundo é o poço.


Uma lágrima escorre
E de repente são duas, três;
E quando se vê, já passou um mês.


E quando se vê, todo mundo te olha
Mas ninguém realmente se importa.


Vamos lá
Mais uma dose
Mais uma moeda para a jukebox
Mais um pouquinho não vai me fazer tão mal.


(Tamires Alci)


--Atentamente dedicado às pessoas que gostam de viver para a tristeza, assim como eu fui um dia. E assim como muito provavelmente nunca deixarei de ser.


•Ouvindo Agora: Yesterday - The Beatles

terça-feira, julho 05, 2011

PALAVRAS ALEATÓRIAS

Um armário, um espelho 
Um ventilador, um violão
Uma cama bagunçada
E alguém que escreve essa porção de palavras desarrumadas.


Pode parecer poético
Ou emblemático
Poemático
Problemático
Isso mesmo...PRO-BLE-MÁ-TI-CO.


Uma dose de palavras aleatórias
Umas linhas de whisky sem gelo
Tô desencontrada
Na madrugada
E dopada
Dopa-mina
Mina dopada --Eu.


É, não sei porquê me sinto assim
Eu só sei que sinto e é esse o meu desejo, sim.


O barulho do ventilador encanta
O violão hipnotiza
As roupas jogadas no chão
E os versos da poetiza.


Prefiro canetas de tinta azul
Feito o infinito do céu.


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: Behind Blue Eyes - Limp Bizkit

segunda-feira, julho 04, 2011

MUDANÇAS

E se o passado fosse outro? 


Não adianta se lamentar pela dor que outrora te fez feliz
Querer voltar no tempo
Quando a solução está bem embaixo do seu nariz.


Não é justo que sofras provação
E reclame delas
Se nem você mesmo quer mudar
Se nem você mesmo quer tentar de novo
Enquanto isso, se tranca no seu mundo de alienação.


Eu não peço para que lutes com os 300 de Esparta
Eu peço, eu clamo, eu imploro
Para que lutes com os seus próprios demônios
Os que só você pode derrotar.


Não quero que julgues minha indignação
Ou faça jus à minha ingratidão
Apenas gostaria que visse o que temos pela frente
E não o passado...
O passado já se foi e não se mudará por acidente.


É apenas o que eu digo
É apenas o que eu sinto
É apenas a opinião de um ser que vive à sombra de suas reclamações.


(Tamires Alci)


"Lembrem-se crianças, se vocês querem mudar qualquer coisa: a sua vida, a sua casa, o mundo...Comecem por vocês mesmos."


•Ouvindo Agora: Almost Easy - Avenged Sevenfold

sábado, julho 02, 2011

EU, MEU EU.

E quando penso que já não sei mais nada 
Me perco em mim
Em dias inconstantes
Me sinto assim.


Insolúvel em água
Solúvel por lágrimas e sentimentos
Infelizmente essa sou eu
Em meu estado bruto.


Sou feito a poeira que se levanta do chão durante o furacão
As águas calmas de um lago, quase sem vida
Ou o movimento das marés.


Sou feito a lua minguante, que se esconde aos poucos
Depois de um tempo, ninguém me vê
Mas nunca se esquecem, de que mesmo não aparecendo
Eu sempre vou estar ali.


Sou assim, como me vê
Independente das estradas que seguirmos
Sei que um dia, ainda vou encontrar você.


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: Quem de Nós Dois - Ana Carolina

  •