Subscribe:

sábado, junho 30, 2012

QUE LUGAR É ESTE?

Vem cá
Chegue mais perto
Não precisa temer
Tá frio ai fora
E não quero mais ver você tremer.


Eu não tenho muito
Apenas o suficiente para mim
Não esperava pela sua visita
Assim, tão de repente.


Você se foi há pouco
E já voltou
Senti sua falta
Mas meu coração já perdoou.


Sente-se ai
Não repara a bagunça
Eu tenho muitas coisas ainda pra organizar
A última pessoa que veio aqui
Foi embora e nem me ajudou a arrumar.


Não repare também meus trajes
Eles são simples, afinal eu estou em casa
Não preciso do meu sorriso de onça agora
Vou deixar isso pra mais tarde, ou para o mundo lá fora.


Espero que não pise em nenhuma poça por ai
A casa tem tido algumas goteiras
E tem chovido bastante esses últimos dias
A vizinha de cima não para de jogar água pelas janelas
Mas ela é sempre assim...Escuta uma música, duas e fica jogando essa água
Não sei porquê.


Então, esses curativos são do meu filho
Ele sempre se machuca
E mãe que é mãe, tem que ser prevenida.


O senhor aceita uma água ou um café?
*Senhor não, és muito jovem para tal termo de tratamento, deixa eu me refazer:*
Você aceita uma água ou um café?
Eu tenho chocolates e vinho
Faço até cafuné.


O seu quarto é esse aqui
Espero que não faça nenhuma bagunça
O aluguel será cobrado diariamente
Tem que fazer por merecer morar neste lugar.


(Tamires Alci)


•Ouvindo Agora: Segredos - Frejat




7 comentários:

Arash Gitzcam disse...

chocolate e vinho, boas variáveis para um aconchego...

Marcia Gomes disse...

O poema é bastante expressivo e dá margem a várias interpretações, fiquei pensando se a casa não seria uma metáfora para o coração...
Também gostei da metáfora em relação ao choro da vizinha.

www.labirinto-literario.blogspot.com

Fabinha disse...

Muito lindo! :)
Parabéns pelo blog!

Manfio disse...

Obrigado pelo comentário =)
Belo poema, algumas metáforas, bem subjetivo, muito bacana. Li as duas postagens anteriores também e a postagem anterior a esta achei simplesmente tocante.

Francorebel disse...

Que ele adentre poético em seus cômodos.
Brilhante, mana.

Arnoldo Pimentel disse...

Uma porta que se abre para mostrar um mundo interior e exterior que existe bem perto de cada um, bem dentro de cada ausência que poderá ser preenchida por momentos.Parabéns.
Amigo (a) leitor (2) se puder leia minha entrevista ao Blog Poetas de Marte, desde já agradeço.

http://poetasdemarte.blogspot.com.br/search/label/Arnoldo%20Pimentel

Aline Thompson disse...

Amei o texto!

Postar um comentário

•Expresse sua opinião de forma coerente
•Respeite os outros leitores
•Nada de palavrões
•Sem ofensas
•Evite escrever com o CAPS LOCK ligado
•Evitexx excrever axim também (Obrigada)
•Volte Sempre! :)

  •