Subscribe:

segunda-feira, março 04, 2013

A FELICIDADE E O ARROZ



Cheguei em casa, tirei as botas de cowboy, andei até a cozinha pra pegar um copo d'água, vi que tinha uma xícara de café sobre a mesa. Por alguns momentos achei que algum ladrão abusado tinha entrado lá, mas abusada mesmo foi a minha memória. Eu havia deixado a xícara exatamente ali, pela manhã, antes de sair. Estava com tanta pressa que acabei esquecendo...É, esses últimos dias tem sido tão atarefados (pra não dizer estressantes), que ando tendo lapsos de memória. Nunca foi muito boa, agora anda indo de mau à pior. Mas não, isso não importa.

Como dizia, fui até a cozinha pra pegar um copo d'água, quando ví a xícara, esqueci da água e acabei voltando pra sala.Tirei as meias e mexi os dedinhos dos pés, que estavam ali, cozinhando por mais de 6 horas, sem interrupção. Percebi que estava com chulé...Só faltava essa agora. Tratei de anotar num papelzinho e colar na geladeira, a seguinte frase: "Comprar polvilho antisséptico" e foi o que fiz, antes que me esquecesse. 

 Fui fazer o jantar, já estava tudo pronto, praticamente. Eu só teria que fazer o arroz, que, daquela vez ficou bom. Geralmente ele ficava queimado dos lados, salgado, meio cru e mais uma centena de problemáticas que poderiam envolver um arroz mal feito. Mas daquela vez não. Ele ficou bom. Não tão bom quanto o de um chefe, mas ficou bom. Comível até. Nem preciso dizer o quão feliz eu fiquei por ter feito aquele arroz. Dei até pulinhos diante do fogão. Ainda bem que ninguém viu isso, caso contrário, além de esquecida, começaria a ser classificada com um tipo de "insanidade nível leve".

Sei lá, depois de jantar fiquei pensando meia dúzia de bobagens. Sabe, é engraçado. Me senti feliz por ter conseguido fazer um arroz. Um arroz no ponto certo. Seria isso uma esquisitice? Ou seria só simplicidade? Simplicidade de ver e ficar feliz com coisas tão banais...Isso é comum? Há um tempo atrás, eu diria que sim. É comum ficar feliz por comer uma comida boa. Por assar um bolo que não sole. Por tomar um café doce no ponto certo. Mas hoje em dia? Hoje em dia tudo passa tão despercebido. Como se fosse normal....Tudo bem que é normal comer arroz, mas quando você nunca tinha feito um arroz decente, o fato de conseguir comer o arroz, se torna quase uma conquista. Se não uma verdadeira conquista. É por isso que eu fiquei feliz...Foi uma pequena "conquistinha" pra mim. E comemoração é digno de qualquer que seja a conquista. Seja ela fazer um arroz bem feito ou terminar a faculdade. Acho sim que as pessoas deviam dar mais valor à essas "pequenas conquistas" do dia-a-dia, mas elas sempre andam com tanta pressa. Não é mesmo? E quem sou eu pra falar de pressa...?

Como disse antes, ando tão apressada, que ando me esquecendo fácil das coisas. Talvez tenha sido isso que me fez pensar à respeito dessas "conquistas". Gostaria de andar com menos pressa, com menos preocupação, com menos ansiedade e mais tempo pra assar um bolo. Mas o forno tá ruim, então vou ter que fazer um de microondas...O que já sugere por sí, uma falta de tempo. Comida de microondas é comida pra gente com pressa ou preguiçoso. 

Posso estar errada, mas gostaria que todos nós voltassemos à nos reunir em volta da mesa aos domingos. Gostaria de comer lasanha e depois sorvete. Gostaria de ter aquele bolo de laranja no lanche da tarde, aquele que só a tia consegue fazer. Ela sempre fazia um suco gostoso também, pra acompanhar o bolo, sabe?

É, parece que ando esquecendo das coisas rápido mesmo, talvez seja porquê guardo memórias demais. Memórias de tempos, que infelizmente, não voltam mais. Acho que tá faltando espaço no HD. Por enquanto, ando me virando com essas folhinhas que colo na geladeira (meus pendrives). E antes de terminar o texto, uma dica pra você:

Anota aí no teu pendrive, essa frase: "Ter tempo para ser feliz"

Parece que muita gente anda esquecendo disso, mas essa dica aí, eu nem preciso anotar. É só continuar fazendo arroz. Fazendo alguém feliz. Gerando sorrisos. E quem sabe um dia, eu não seja a tia do bolo de laranja e acabe virando as memórias mais preciosas de alguém...?

(Tamires Alci)

•Ouvindo Agora: Shinny Happy People - R.E.M

5 comentários:

Marcos "Tinguah" Vinícius disse...

Princesa, achei muito válida a comparação do arroz com a felicidade. Sabe, acho que a falta da valorização das conquistas diárias fazem a vida ser um saco.
E a vida é um porre se a gente não leva em consideração essas coisas.
Por exemplo: Conseguir fazer um arroz, conseguir chegar cedo em casa, estar vivo.
Acho que todo dia é uma nova oportunidade de se comemorar por se estar de pé.

E tambem penso que são as coisas mais simples que nos trazem toda felicidade. A felicidade, o sorriso e a alegria não são uma mansão de luxo. Mas, são os alicerces dela, enfinacados na terra e que não deixam a construção ir abaixo.

Muito ótimo o texto meu amor, estás de parabéns!

Beijos de teu Namorado/Noivo/ e futuro marido 'rs

Te amo muiito, muiito mesmo! (L)

B. disse...

Interessante a mensagem final. Transformar o ato de fazer arroz em uma essência da vida. Bem legal, criativo.

Franco disse...

O advento do arroz é mais previsível.

Lari Moreira disse...

Bom dia!
Passando pra me desculpar pela minha ausência, ando bastante ocupada e sem tempo pra responder comentários, mais sempre que puder virei te visitar, tudo bem?
E tem novos posts:
http://maybe-i-smiled.blogspot.com.br/
http://dicionario-feminino.blogspot.com.br/

Tenha um ótimo fds, fique com Deus

Letícia Giraldelli disse...

"Ter tempo para ser feliz"
necessito, poxa! :/

Postar um comentário

•Expresse sua opinião de forma coerente
•Respeite os outros leitores
•Nada de palavrões
•Sem ofensas
•Evite escrever com o CAPS LOCK ligado
•Evitexx excrever axim também (Obrigada)
•Volte Sempre! :)

  •