Subscribe:

terça-feira, abril 30, 2013

"CRISE DE MEIA-IDADE" SERÁ?

*Pequena nota*

|Ando sem escrever por aqui há bastante tempo. Me faz falta. Não vou dizer que é falta de tempo ou algo parecido. O fato é que não tenho uma boa conexão com a internet. Portanto, peço a compreenssão de todos os leitores. Assim que puder, estarei arrumando um jeito de postar mais vezes por aqui.|


"Crise de Meia-Idade" Será?


É, me parece que esse trem da vida, anda muito rápido mesmo. Talvez, de uns tempos pra cá, ele esteja parecendo muito mais um trem bala do que um à vapor, como deveria ser.

Olha só pra mim: 20 anos, praticamente casada, cuidando de uma casa, tentando arrumar um emprego e por mais estranho que pareça, morando em Fortaleza. Não que eu esteja me queixando, longe de mim. Mas parece que foi ontem que eu tinha 15 anos e ainda precisava de permissão pra ir ao shopping. Sei que cinco anos não parecem grande coisa, olhando de fora, é verdade. Mas esses últimos cinco anos foram uma tremenda metamorfose na minha vida. Principalmente porque a maioria das coisas aconteceu sem o mínimo planejamento.

Há um ano atrás, se alguém me dissesse que eu estaria morando aqui, eu, MUITO PROVAVELMENTE gargalharia até chorar. E eis-me aqui, agora né?!

Bom, acho que chegou a tão famosa "crise de meia idade". Bem antes da hora, 10 anos antes pra ser mais exata.  Mas sabe, eu acho até bom, olhando de certa forma. Não que seja bom perceber que se está ficando velho, não é isso. São outros aspectos.

Acho que a maioria das pessoas da minha idade estão se "aventurando loucamente" por aí. Em baladas, festas, bailes funk, "quintanejas", "choppadas" e outras coisas da idade. Não condeno ninguém e nenhuma forma de diversão. Mas percebo aqui, nessas coisas, que estou ficando velha ou talvez até, que eu já tenha nascido velha. Afinal, nenhuma dessas coisas NUNCA me encheu os olhos.  Prefiro muito mais uma coisa "reservada". Um jantar, um rodízio, um boteco que for. Mas NADA em que a música seja absurdamente alta e pra conversar com alguém, você tenha que parecer um completo imbecil.

Talvez, a maior preocupação desses mesmos "jovens" seja a monografia ou algo relacionado à faculdade. Como eu já me livrei de fazer essa merda (pelo menos por enquanto). Tenho outras preocupações. Arranjar um emprego, cuidar da casa, pagar contas, etc, etc, etc...Quem me escuta (lê) falando assim, pensa até que sou responsável.

De alguma forma, talvez eu seja mesmo. Talvez eu seja responsável até demais. Mas isso são outros quinhentos. Ou não, talvez o fato de "se achar velho" esteja diretamente ligado à responsabilidades, e então, percebendo que, você lida bem com responsabilidades, você comece a perceber que está ficando velho e percebendo que se está ficando velho, faz sentido tudo estar relacionado à crise de meia idade. Mas isso é só uma hipótese.

O fato é que o tempo tem passado rápido demais. O fato é que cresci 15 anos em 5. O fato é que hoje, encaro a vida com outros olhos. Acho que a mudança me fez bem. Me fez ser menos dependente e aprender a me virar. Não sei se tenho feito tudo perfeitamente bem, mas consigo viver com o que faço e vivo bem. Hoje, percebi que a louça não se lava mais sozinha. As roupas não ficam limpas em um passe de mágica e a comida não se cozinha automaticamente. Eu percebi que o lixo não cai em um vortex e some pra sempre. Eu notei hoje, que tem alguém que tem que fazer isso tudo e esse alguém SOU EU.

É, parece que tô ficando velha mesmo. Ou, como já disse antes, talvez eu já tenha nascido velha aprisionada num corpo jovem. Quase um Benjamin Button interior. Acho que é bem isso que define. Talvez, daqui a alguns anos eu alopre um pouco, mas por enquanto, vou me manter assim. Estou bem assim.

Ando muito pensativa ultimamente, pensando em como vai ser nos próximos 5 anos. O que essa vida louca vai aprontar comigo...Mas, não cabe à mim ler o futuro e mesmo que me coubesse, não leria. Porque a vida é isso: O tempo, as surpresas, as descobertas e reflexões como esta.

Bom, se estou mesmo na crise de meia idade, que ela seja muito bem-vinda.

segunda-feira, abril 08, 2013

QUE VENHAM AS MUDANÇAS

E vem chegando a hora...A hora que eu mais esperava e também a que eu mais temia. A HORA DA MUDANÇA. Não falo apenas da mudança de casa, de estado...Falo da mudança da alma, do amadurecimento. Falo da hora de crescer e perceber que esses meus vinte anos já estão pesando de alguma forma. É, acho que a maioria (se não todos) nós, passamos nossa infância inteira desejando tornarmo-nos adultos, ser grande e essas coisas todas que as crianças acham fantásticas. Só que ninguém (além dos nossos pais) avisa pra gente que crescer implica responsabilidades. GRANDES responsabilidades. 

Antigamente era simples, a gente queria ser grande, só isso. Pra nós, meninas, poderíamos usar salto alto e batom vermelho quando a gente crescesse. A gente pode mesmo, só que vai descobrindo pelo meio do caminho, que usando aquele batom vermelho, muitas vezes está disfarçando uma tristeza grande, que mal cabe no peito e o salto alto, que seria o auge dos nossos reles sonhos, acaba saindo pela culatra e pisa na gente. 

Ninguém nos disse das contas pra pagar, das cobranças, do patrão filho da puta, da casa pra arrumar, da roupa pra lavar e comida pra fazer. Ninguém nos disse o quanto era difícil sustentar uma casa com os próprios braços. Ninguém nos disse que iam pisar em nós, iam nos enganar, iam rir de nós. Isso tudo a gente descobre sozinho. E que bom que a gente descobre sozinho. Porque assim aprendemos a ser fortes, a nos levantar, a pôr um sorriso no rosto por mais que o peito doa. E a gente vai vivendo, dia após dia, mês após mês, ano após ano. E uma hora a gente pára e percebe que conseguiu. Que a gente aprendeu a "andar com as próprias pernas" e assim a gente se sente feliz. Bom, pelo menos penso eu, que a gente se sinta feliz, dado esse momento. Afinal, a vida é isso, não é mesmo? Um eterno crescimento, aprendizado...Ouso dizer até "uma transferência de conhecimentos".

Bom, faltam 4 dias pra maior mudança da minha vida. Maior sim, até o momento. Logo eu, que nunca pensei que fosse me afastar do Rio e das pessoas que eu amo, por tanto tempo, estou de mudança para o Ceará. Pra Fortaleza, pra ser mais exata. É, estou com medo. Medo de viajar de avião, medo de ficar longe das pessoas que amo, medo de crescer de vez, mas é necessário. Uma hora isso iria acontecer, eu só não imaginei que fosse dessa maneira, assim, tão rápido. Mas eu acredito que vai dar tudo certo, quando se tem coragem e fé, TUDO dá certo.

Espero me adaptar bem à essa nova vida, espero aproveitar bem o tempo que vou passar por lá e espero que tudo dê certo.

Aos amigos e familiares que ficam aqui no Rio, despeço-me com muuuuuuito carinho e já com saudades de todos. Mas em dezembro eu tô de volta pra pertubar todo mundo outra vez.

"É isso
Que venham as mudanças
Que venham os novos ares
As novas pessoas
E os novos lugares.

Que venha uma vida nova
Pra um novo tipo de felicidade
Que venha com a pressa de uma criança
E com toda sua simplicidade"

E que, com tudo isso, Deus se ponha à frente.

(Tamires Alci)

•Ouvindo Agora: Retrovisor - Fagner
  •