Subscribe:

segunda-feira, maio 27, 2013

LAR

"É possível que 'lar' seja uma pessoa, não um lugar?" - Stephanie Perkins

"Lar"
Pode ser a lágrima que cai
E logo é recolhida
Entre os dedos
Deitada no colo.

"Lar"
Pode ser um abraço
Um sorriso, um carinho
E mãos dadas
"Lar"é amar e ser amada.

"Lar"
É tudo aquilo que é acolhedor
Que não te deixa sentir medo
Frio ou dor.

"Lar"
São pernas entrelaçadas
É saudade
É amor.

"Lar" 
É um mar infinito e indecifrável
Como todos os outros mares
Como todos os amares
Amores e dores 
De todos e tantos corações.

"Lar"
São as asas do pássaro que voa
Mas sabe que tem seu ninho
E na volta
Nunca vai estar sozinho.

"Lar"
É ceu, é mar, é galáxia
Um universo inteiro
E todas as suas vias-lácteas.

"Lar" 
É cheiro de café de manhã
É broa de milho e croissant.

"Lar"
É sempre lar
Por mais que seja "cá"
E "lar" só não é "lar"
Quando só existe um para habitar
Afinal, "lar" é todo o "mar" de amar.

(Tamires Alci)

-Ouvindo Agora: Melhor Pra Mim - Leoni

quarta-feira, maio 15, 2013

ENGRAÇADO

É engraçado como a gente sempre tem algo pra dizer
Pode ser um "Oi"
Ou talvez
"Eu amo você".

É engraçado
Que a gente nunca se acostuma com a despedida
Com a hora de dizer "tchau"
E fica olhando o outro até o fim da avenida
Até sumir do campo de vista
E ficar no pensamento.

É engraçado
O coração bate descompassado
E a gente nunca tem palavras pra explicar
Quão grande é o amor
Ou a vontade de junto estar.

É engraçado
Saudade é um bicho engraçado mesmo
Pode ter passado horas, dias, meses ou anos
A gente sempre sente saudade
Saudade de um tempo
De alguém
Do sentimento
De um único momento
Que seja...Saudade é mesmo assim.

É engraçado
Que a gente sempre quer um abraço
Todo mundo é um pouco carente
Carente por carência mesmo
Ou carente por falta de vergonha na cara
Vai saber...
Carência que bate e a gente nunca sabe o que fazer
A gente só sabe dizer: "Preciso de fulano/ciclano/ de você"

É engraçado
Engraçado que alguém ainda pare pra ler
As linhas de alguém que só tá com saudade
E queria escrever.

Engraçado que alguém
Ainda hoje
Diga: "Eu amo você"

(Tamires Alci)

segunda-feira, maio 13, 2013

CAMILLA, CÁ-FÉ, CAFÉ

Ela levantou
Levantou da cama
As unhas do pé
Pintadas de rosa choque.

Ela levantou
E encaminhou-se para cozinha
Como quem pisava em ovos
Pra não acordar
Quem ainda dormia.

Quem estava a sonhar
Os sonhos que estavam sobre a mesa
Do lado do bule de café
Ca-fé
A fé da Cá
Se chamava Camilla, com dois L's
E ainda tentava acordar.

Abriu a geladeira
Pegou leite e manteiga
Sentou-se na cadeira
Como no abraço de um urso
Quase adormeceu novamente
Se não fosse pelo cheiro do café, do pão...

Olhou em volta
E os lençóis estavam jogados no chão
Viu que não fazia sentido uma mesa pra dois
Sem os dois
Então foi o acordar...E de preguiça ficou
Criando sorrisos às 07:30 da manhã.

Tomaram o café
E Camilla ou Cá
Tomou sua fé de cada dia
Pois o São Jorge no pescoço
E foi trabalhar.

(Tamires Alci)
  •